Facebook

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Feliz 2013, Ainda Melhor 2014





Em 2013 o pai e a māe juntaram-se. Em 2013 o pai e a māe viajaram. Em 2013 o pai e a māe riram. Em 2013 o pai e a māe sonharam. Em 2013 o pai e a māe voaram. Em 2013 o pai e a māe surpreenderam-se. Em 2013 o pai e a māe sentiram-te. Em 2013 o pai e a māe mudaram. Em 2013 o pai e a māe uniram-se. Em 2013 o pai e a māe partilharam. Em 2013 o pai e a māe viveram. 

Em 2014 o pai e a māe abraçam-te. 
Feliz Ano Novo



segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Gata Borralheira

Meu amor, e a quem me lê habitualmente:

Nestes dias a minha ausência tem sido imensa. Lamento por isso. Nem sempre vos escrevi como é meu hábito e gosto muito. A época para além de festiva tem sido muito dura. Mudar de casa foi uma tarefa difícil pelas mais variadas razões. Hoje escrevo porque estou quase no fim dessa fase gata borralheira. Nāo preciso de bruxa má nem de madrastas, nem sapatinho, nada... Quer dizer, amanhā pela meia-noite quem sabe se o pai me dá um sapatinho para experimentar ou se eu viro abóbora. A ver vamos.
Brincadeiras de parte, a nossa história pouco tem a ver com a desta humilde gata. Porém, estes dias duros têm sido como os dela de pano e balde na māo. Abre caixote, arruma caixote, limpa, lava, roupa aqui e acoli, pendura, segura, afasta, arrasta... Enfim, todos sabemos ou imaginamos o que é a vida assim. Nem me queixo muito, pois habitualmente a minha é uma vida bem longe da experiência diária dessa gata. Está a acabar, está quase a acabar... Ao contrário dela, espero amanhā virar princesa pela meia-noite. 
Quem sabe, quem sabe! Se o príncipe pai calçar o sapato à māe tenho a certeza que o sapato vai brilhar. A ver vamos se a māe também. 


sábado, 28 de dezembro de 2013

Tolices

       
Imagem de: Pedro Mendonça

Apesar dos dias cheios, sem tempo e sempre a correr, o teu pai arranja sempre tempo para tolices e diversão. Não haverá grande margem para seres triste ou teres dias em que estás mais em baixo: o teu pai não deixa! Impossível. Uma gargalhada com a mais simples das tolices nunca vem só. Saberás do que falo, pois já ouves o que dizemos e sentes o que sinto. Há dias assim: cheios ... De sorrisos e gargalhadas também. Claro. 

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Ver Estrelas

Imagem de: Pedro Mendonça

Os teus pés sentem-se como tamanho 44. É cada pontapé que até estrelas vejo. Estrelas no céu, às cores, muito cintilantes. A tua casa deve estar a ficar pequena porque a verdade é que os teus bracinhos e perninhas parecem ser tamanho large. Durante a noite tentas encontrar caminhos refundidos para te esconderes só tu saberás de quê. Eu, de pestana aberta, a sentir e a ver. Cansada, não de ti- isso nunca- mas cansada, viro-me da esquerda para a direita com dificuldades acrescidas. De dia, finalmente entendo o porquê dos outros muito prontamente se oferecerem para apanhar coisas que caem ao chão... Não entendia o porquê de tantas vezes isso acontecer. Achava atencioso mas exagerado. Novidade: Não é! As articulações com a gravidez ficam mesmo frágeis. Os ossos, os músculos, as cãimbras... Tudo, mas tudo isto contribui para cansar, provocar dores, desconforto. O corpo tenso. Dorme-se literalmente em equilíbrio. Até a circulação do nosso próprio sangue parece cansar. A dormência aparece com frequência. O coração trabalha cada vez mais para as duas. Cansaço e dores no corpo, tudo normal. Mas os dias não têm a mesma facilidade nem agilidade. E as noites, claro, são bem mais despertas. Ao longo dos meses nem podemos carregar pesos. Não estamos doentes mas o corpo está cansado. Cada vez mais. Dói. Há alturas em que custa um bocadinho. Mas também é nessas alturas que aquele teu pontapé nos chama à vida e nos leva às estrelas. Àquelas que cintilam e brilham. É nessas alturas que nos lembramos que gravidez está longe de ser doença, se cansa... Cansa. É simples: descansa. 
Vale mesmo é desfrutar das estrelas, aquelas que todos os dias os teus pézinhos  fazem questão de fazer cintilar.  

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Presentes

Tantos presentes, meu amor. O Pai Natal apareceu mais uma vez este ano e encheu o sapatinho. Espero que gostes. Nós gostamos e muito.
Obrigada, Pai Natal.






       






terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Feliz Natal

A Anita Mamã deseja um bom Natal a todos. Agradecemos a quem nos tem lido e acompanhado diariamente neste recente começo. 2013 foi e será um ano que permanecerá na memória. Que este seja o nosso primeiro Natal juntos, mas o primeiro de muitos para vir.
Esta é das datas mais felizes para estar em família. Ainda que todas as datas sejam boas junto dos nossos, Natal é Natal. 
Dias Felizes. Ontem, hoje e amanhã. Para todos.

Imagem de: Publicações Verbo Infantil 



         

domingo, 22 de dezembro de 2013

O Nosso Primeiro Natal


O nosso primeiro Natal. Todos. Juntos. 
Com tanta tarefa a árvore ficou pronta apenas no último segundo. Cheguei a acreditar que seria um Natal sem árvore e isso deixou-me inquieta. Fiz tudo mas tudo para que tivesses a tua primeira árvore, ainda que nāo a possas ver ainda. Fizemos o impossível nestes dias para organizar, transportar e mudar de casa. Sem ser possível eu carregar uma caixa nem mesmo o pai. Sim, é verdade. Apesar dessas dificuldades, nāo desistimos e foi possível contar com a ajuda preciosa dos nossos. Temos a nossa casa nova. A tua primeira casa. Cada dia que passar prometo que ficará cada vez mais cuidada e confortável para te receber. Falta pouco para te abraçar. Passa a correr o tempo. Este ainda nāo será o melhor Natal de sempre porque ainda nāo te vou ver a sorrir radiante com o que o Pai Natal te trouxe. Mas este será certamente o Natal que ficará marcado como o Natal em que tenho o meu melhor presente: Tu. 
Vamos preparando aos poucos a tua chegada. O teu berço já está aqui. Neste momento em pleno sala ainda. Cada coisa a seu tempo, pois assim tem de ser. É uma delícia olhar para ele e imaginar-te lá dentro daqui a uns tempos. É de princesa, claro. Branco, puro. A cor, essa trazes contigo. Quem por cá vai passando diz em tom de brincadeira: shiuuuuu que acordas a miúda. 
A verdade é que dentro de pouco tempo essa frase será dita e muito certamente. 
Também ontem ao telefone uma amiga falava do seu filho Vicente e do nascimento dele que faz agora 7 meses... Ouvi assim: "Ele nasceu. Passaram 5 minutos. Ele nāo chorou. 5 minutos. O pai ali. Eu ali. Levaram-no. Ele nāo chorou. Ele nāo chorava. Alguma coisa estava errada. Sabes tudo naquele momento. Porque sabes. As enfermeiras levaram-no. Nós ali. Ao longe, e depois dos mais longos 5 minutos da minha vida, o choro dele. E ali sim... Agora sim, sabia: a minha vida começou. Pois afinal ficou tudo bem." 

Que a minha vida comece. Que a nossa vida comece. Mais ainda. 
Feliz Natal, para ti. Feliz Natal. Para todos.   

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Mala De Maternidade

Há informaçāo muito útil para ao longo do terceiro trimestre ir preparando a mala da maternidade. No início do trimestre ainda é cedo para preparar a mala mas é bom ter uma noçāo. Especialmente para māes estreantes como eu. Há coisas nesta lista que nāo fazia ideia de que eram necessárias. No entanto também há coisas óbvias.

Para a māe convém levar: 
- 2/3 camisas de dormir, roupāo, roupa interior de algodāo (3 mudas ou as "horrendas" cuecas descartáveis)   
- Soutien de amamentaçāo, discos absorventes e 2 mamilos de silicone
- chinelos de quarto e de duche
- uma toalha de banho e 2/3 de pequeno formato
- estojo de higiene pessoal
- secador de cabelo
Nota: em caso de operaçāo deve ter meias elásticas

Para o bebé:
- 4 conjuntos de roupa (interior e exterior) e meias de algodāo
- 2 fraldas de pano
- toalha de banho
- fraldas descartáveis para 2/3 dias- e esta é a parte chocante para a nova māe: 18 fraldas. Sim... 18 para  apenas 3 dias...

E ainda:
O boletim de gravidez, cartāo de cidadāo, exames prévios e recentes, notas com toda a medicaçāo que toma habitualmente. 

Para evitar contaminaçāo fúngica nāo se deve ter flores nem fruta ao longo da estadia no hospital.

Estas sāo as dicas básicas e fundamentais. Esta lista lida por um homem deve provocar alguma estranheza nalguns pontos. Ou talvez nāo... 
Acho que nāo vai dar para escapar muito a isto. Pois assim será...

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Estamos Grandes


Temo que um destes dias chegues aos sítios umas quantas horas antes de mim... É que ainda falta mas cresces, cresces, cresces, cresces e cresces. A nossa barriga não sei onde vai parar. 

Ainda bem, continua a crescer meu amor. É sinal que estás bem. 

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

O Medo Do Choro

Ainda me ri hoje com o teu pai. Estava a ver uma entrevista na televisão, a repetição de um programa que costuma ir para o ar ao sábado e que eu gosto de ver sempre que apanho. O entrevistado era um jornalista. Sim, um jornalista. Parece ao contrário mas não é. Um jornalista estava a ser entrevistado numa conversa bem conduzida. Onde falava sobre experiências próprias de uma forma aberta e com uma entrega admirável. Ali costuma ser regra a entrega e a queda dos muros. Ele dizia no meio de frases com muita graça e com leveza que nem sabia como conseguiu viver o primeiro mês de paternidade sem cometer uma loucura. Isto porque, continuava ele, lhe parecia impossível antes de experimentar mas os bebés, de facto, choram sem parar o primeiro mês seguido. E finalizava dizendo achar um milagre como, nós pais, aguentamos sem dormir... 
Posto isto o teu pai soltou uma gargalhada e em tom de brincadeira, como sempre, disse: "Coitado, teve pouca sorte, foi uma experiência difícil, não é claramente como a nossa." Mas isto num tom meio nervoso, meio irónico. Fez-me rir e brincar com o nosso medo do choro. A verdade é que todos os pais, mas todos sem excepção, referem o desespero do primeiro mês. E isto é quando o primeiro mês não se transforma em 3 meses, em 6 ou um ano. Não ouvimos até hoje nenhum relato contrário ao medo do choro, ao cansaço do choro, à loucura e desespero de pais e bebés cheios de lágrimas. Ainda assim quero acreditar que no meio do teu choro irei ouvir as tuas risadas e assim ganhar fôlego para mais trinta choros de goela aberta. 
  
Por favor, histórias felizes se me estão a ler invadam a minha caixa de correio. Precisamos de vocês. Nós e todos os futuros pais. 

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Mudanças

Nāo vejo a hora de acabar a nossa mudança. Em género de brincadeira dizia sempre que tinha mestrados e mestrados em mudanças. É um facto que mudar de casa, para mim, nunca foi uma dificuldade, um problema ou sequer um transtorno. Nunca foi. E se há quem mude de casa, sou eu. Até entre países. E nunca mas nunca me cansou tanto. É um desabafo e nāo uma reclamaçāo. Quando tudo parece acontecer na direcçāo oposta àquela que desejamos, quando os contratempos sāo aos pontapés, quando tudo parece um filme do Almodóvar e podia ser tāo simples, mas tāo simples. Mas nāo tem dependido de nós. Nada. Grávida, esperar 5 horas pelas entregas do Ikea numa casa ainda quase sem mobília nāo é a mesma coisa que estando num estado normal. Ainda por cima, quando chegam, chegam com o material errado, incompleto, fazem-me ir lá de novo, resolver um problema provocado por eles. Marcam uma nova data e mais 5 horas de espera pela frente. E este é apenas um exemplo entre diversos, sim, diversos que nos têm aparecido diariamente... 

Desculpem o cansaço das minhas palavras. Desculpem a impaciência da minha atitude. A verdade é que é tudo por um motivo maravilhoso. Eu sei. Claro que é. Mas isso nem está em cause, naturalmente. Fico triste porque o processo tomou conta de mim, já vai longo, tāo longo que por vezes esqueci no desespero que é tudo mas tudo por razões que brilham mais que a lua. Os contratempos têm sido muitos. Demasiados. 
Mas nāo há contratempo que se meta no nosso caminho e resista. Nāo há. Vamos resolvendo todos. Um a um. E cá estaremos para usufruir da calma e da organizaçāo quando o mundo permitir e nos deixar de colocar diariamente questões, problemas, erros ou equívocos relacionados com a nossa mudança. 
Mundo, ouve bem: esta casa e esta mudança que te falo é o nosso futuro, mas já devia ser o nosso presente. Porquê? Porque fizemos e fazemos tudo o que há para fazer ao nosso alcance. Porque nāo merecemos este desgaste. Porque precisamos de parar. Porque merecemos esperar, mas esperar apenas esperar por ela. Por favor, organiza-te connosco. 

Mundo, estás a ouvir? Por favor... Já chega. Como diz um grande amigo: É só uma mudança nāo é neurocirurgia.  Peço-te do fundo do coraçāo, nāo é por nós sequer. 
É por ela. Por ela, o meu amor . 
Obrigada, sei que vais entender. 

    


domingo, 15 de dezembro de 2013

Ma Petite Princesse

Os dias têm sido compridos e duros. Mudar de casa é uma tarefa pesada e difícil. Grávida entāo torna todas as tarefas mais lentas. Quem me conhece sabe que lentidāo nāo é de todo uma característica que me agrade. É por uma boa causa, claro. Mas aconselho todas as pré-mamās a fazerem mudanças enquanto podem porque com 26 semanas já custa. Cada semana a barriga cresce e cresce e cresce. O esforço que se pode fazer é limitado e nāo é nada boa ideia. Valem-nos os amigos e pessoas próximas que ajudam.
Entre caixas e caixotes, malas e malinhas, embrulhos e "trafulhos" hoje arranjei uma horinha para passar no Mercado de Natal das Amoreiras e confirmar a minha paixāo pela Ma Petite Princesse. Uma marca que se destaca pelo cuidado, qualidade e bom gosto. Passei a ser cliente e serei até que a idade da minha pequena princesa assim o permita. Ficam as imagens do que me apaixona e a alcofa que ficaram de me fazer por encomenda.
Para quem? Para ti... Ma petite princesse <3




Imagens de: Ma Petite Princesse 

sábado, 14 de dezembro de 2013

Maternidade Alfredo Da Costa

Nāo emito opiniāo sobre assuntos que desconheço. No entanto gostava de entender o porquê de se tentar a todo o custo fechar a Maternidade Alfredo Da Costa. Nāo sei porquê, nāo entendo como, nem quero imaginar para quê. Na realidade ali é onde se fazem os partos mais difíceis e com maior segurança. Na realidade é também ali, com aquela equipa junta e naquele lugar, que se salvam vidas e mais vidas. De māes e de bebés. Nāo é por acaso que os casos mais complexos, mesmo de māes com seguros e condições monetárias simpáticas, vāo lá parar em caso de emergência. 
Quem ganha com o possível fecho da maternidade? Nāo sei. Nós māes, nāo somos. Os nossos bebés também nāo. Quem ganha? Nāo quero saber. Nem interessa. O que interessa mesmo é que nāo feche.  
Basta ler no link em baixo sobre o grande feito da equipa da maternidade no dia 12 de Dezembro de 2013.  


http://www.jn.pt/PaginaInicial/Sociedade/Saude/Interior.aspx?content_id=3583839


   



quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

A Prova



Chamam-lhe A Prova. Podia ser o título de um filme, de um livro ou até de uma série... Mas não... É mesmo uma maldade que têm de fazer às pré-mamãs. Gosta mais de limão ou laranja? hmmm... laranja... Mas quando ouvi: Depois de beber 'isto' não come, não mexe, não bebe mais nada... Pensei 'E respirar, será que posso?'. As indicações continuaram: e nem pense em vomitar, tem de fazer um esforço. Depois de beber 'isto' lave bem a boca e não pense mais que bebeu 'isto'. 
- Ui vem aí coisa boa, vem! - Pensei. 
Agarrei em mim e aqui vai de beber 'isto'. Sabor a laranja, confirmo. Cor da própria da laranja, confirmo. Doce, muito doce, confirmo. Dei três passos depois de dizer que estava muito bem, que me sentia muito bem e que o sabor nem era mau e pumba ia caindo para o lado. 
- Têm de a deitar. Nāo pode ficar na sala sentada. 

- Pronto, já está. Agora deita-se aqui uma hora. Tratamos de si. E nessa altura recolhemos mais sangue. Depois espera outra hora e recolhemos novamente. 
Simpáticos e muito mesmo muito atenciosos arranjaram um gabinete para eu nāo me estatelar no chāo. Deitaram-me, baixaram a luz e cá estou... Com um enjoo que só eu sei. A pequenota está a amar esta bomba, o 'isto' que bebi deu-lhe cá uma energia que só visto. Já só faltam duas horas a tentar evitar bolsar. 

De repente, passada meia-hora, vêm ver de mim. Dois responsáveis que me olham preocupados mas com sorrisos: Então? Está melhor?
- Estou cada vez mais zonza- disse
- Pois, temos de aguentar, está bem? Vamos buscar uma almofada e tente dormir. Não queremos que lhe falte nada.

Cá estou. Sem me mexer. Deitada. A sentir os pontapés mais bonitos da História. E com uma má disposição que até o ritmo cardíaco acelera. É assim A Prova. Talvez fosse melhor uma prova global, um exame nacional, uma prova de vinhos, qualquer coisa... Mas não! Tem de se despistar as diabetes na gravidez. Tem de ser. Calha a todas. 
Já faltou mais... Há-de passar. Há-de passar. Já só falta uma hora e meia. 
Parece uma vida, confesso. 75% de glucose e sabor a laranja... Podia ser pior segundo parece... Podia ser 100% e sem sabor a fruto nenhum.


quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

O Primeiro Pontapé ao Pai

Os primeiros pontapés sāo emocionantes. Depende imenso de grávida para grávida o momento em que se sente pela primeira vez. Sendo mais magra é natural que sintam mais cedo que as māes mais gordinhas.  
O meu primeiro pontapé, aquele em que tive a certeza absoluta, aquele em que nāo duvidei que era um pontapé e nāo achei que era uma outra sensaçāo qualquer... Esse pontapé, senti-o quando estava a jantar em casa de amigos. Foi uma sensaçāo maior que eu. É quando se tem a confirmaçāo da beleza que é a natureza. Mas é também um momento muito nosso: de mãe para bebé. Com tudo o que isso tem de fantástico e também com alguma tristeza. É tentar explicar aos outros mas acaba por se tornar  impossível a partilha. Tentar exaustivamente que mais alguém sinta para perceberem a dimensāo gigante daquele momento. Em vāo, claro. O primeiro pontapé, mais vale aceitar logo, é só nosso. 



O meu foi em Novembro, mas hoje, foi hoje, que mais de um mês depois foi possível para o pai sentir também. É injusto porque o pai já queria ter sentido muito antes e tinha tentado várias vezes. Foi fascinante ver a expressāo do pai quando hoje levou um pontapé forte na māo que estava pousada na minha barriga, ele que já quase sem esperança achava que mais uma vez ia ficar sem sentir nada. Eu dizia-lhe entretanto como tu te mexias muito e que estavas a dar pontapés violentos. O pai esperou, esperou, esperou, esperou... E finalmente lá conseguiu estar no sitio certo. Foi hilariante a expressāo, assim um misto entre espanto, surpresa, alegria, emoçāo e comoçāo. Adorei. Agora é capaz de se tornar o nosso passatempo favorito. Chamar por ti várias vezes, tentar encontrar-te e sentir-te atrás desta barriga grande esticada.  

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Dormir na Gravidez

Dormir deixa de ser fácil consoante o tempo vai avançando na gestaçāo. Há diversas teorias sobre as melhores posições de sono durante a gravidez. Mas a que mais sucesso tem e é defendida pelos médicos é a de dormir de lado, apoiada sobre o lado esquerdo. Existem estudos que defendem que esta é a posiçāo que mais favorece a boa oxigenaçāo do bebé e a fluidez do sangue. Pode ser fundamental e fazer a diferença no desenvolvimento do bebé, caso se verifiquem de alguma forma dificuldades relacionadas com a fluidez do sangue a 100%. 
Habituada desde sempre a dormir de barriga para baixo, esta tem sido das minhas maiores dificuldades de adaptaçāo. Até porque a dormir a minha tendência é mesmo virar-me de um lado para o outro. 
De barriga para baixo passou a ser tāo desconfortável que nem há esse risco. Mas sobre o lado direito acordo várias vezes e obrigo-me a reposicionar-me. O que leva a que o sono seja tantas vezes difícil tarefa.
Como hoje foi dia de aviāo e regresso a casa, o sono sai sempre prejudicado sendo reduzido nestes dias. Depois de todo o cansaço implicado no dia de hoje, agora podemos voltar a dormir as horas que faltaram ontem e, claro, o máximo possível para o lado esquerdo.



domingo, 8 de dezembro de 2013

Escolha Do Nome e Numerologia

A escolha do nome. Para muitos de nós a escolha do nome nāo passa de uma escolha muito pessoal relacionada com o gosto dos pais ou com significados profundos. Escolhemos o teu com base em várias coisas. Mais tarde falaremos sobre essas escolhas e nāo agora. Pois dizem que muitos pais no dia do nascimento alteram espontaneamente o nome que iam dar ao bebé. Nāo é um segredo de estado, é apenas para evitar a pressāo de mudanças que possam ocorrer nesse exercício dessa liberdade no dia do teu nascimento. Ainda que me pareça impossível o teu nome vir a ser outro que nāo este.
A escolha de um nome para um filho é uma opçāo difícil. Mas é também uma tarefa maravilhosa. 
Quem tiver interesse pode visitar este site (em baixo) e descobrir coisas engraçadas sobre a influência do nosso nome naquilo que somos e fazemos. No nosso destino. Com mais ou menos crenças, tem graça esta passagem pelo mundo dos nomes e a influência dos números. Basta clicar no link em baixo e ao abrir escrever o nome completo de quem querem pesquisar. O meu próprio nome foi uma descoberta assustadora pois tudo o que lá vem é puramente verdade. Coincidência ou nāo... Ali li a minha personalidade completa. Com o que tem de bom e mau, claro. 
As imagens que aqui deixo sāo a previsāo do que será a influência do nome que eu e o pai escolhemos para ti na tua personalidade, na tua vida. Uma princesa com um coraçāo de ouro, um amor e uma simpatia cheia de coisas boas para dar ao mundo. Como a tia Nônô diz: "O mundo precisa de pessoas assim".   
Fica a partilha:





sábado, 7 de dezembro de 2013

25 Semanas


25 semanas depois diz-se que os teus pulmões estāo a completar a sua formaçāo e a fazer os primeiros ensaios para respirares por ti. Claro que dentro da minha barriga nāo passam de ensaios porque aquilo que respiras é líquido amniótico e nāo ar. Mas sāo ensaios fundamentais para todos os bebés com este tempo de gestaçāo.
Cada semana que passa é motivo de celebraçāo porque te tornas cada vez mais real, mais próxima. O teu peso cá dentro faz-se agora sentir de uma forma bem mais presente. Dizem que deve ser o equivalente a 4 pacotes de sumo. Andar muito faz bem, mas cansa muito também. Temos andado bastante e a māe tem de parar regularmente. O que nos vale é a barriga grande e os olhares atentos de quem passa. Seja em Londres ou em Lisboa, temos tido sorte com a atençāo dos desconhecidos. Levantam-se sempre para nos dar lugar. A verdade é que precisamos. Nāo é capricho. O corpo está em constante trabalho e a dar o máximo que pode. Para teres todas as condições para um desenvolvimento saudável e perfeito. Claro que o medo de todas as māes é fazer algo errado. Nenhuma de nós quer. Nenhuma de nós se quer imaginar a falhar no conforto e na criaçāo de um filho seu. Ultimamente tenho conhecido várias pré-mamās e o medo natural é de que algum factor falhe. Mas a verdade é que esses sāo receios comuns mas habitualmente exagerados tomando conta dos pensamentos das māes responsáveis, preocupadas e atentas. 
Como tua māe aquilo que sei é que te quero bem, sempre bem, todo o tempo. Penso no que como, no que tenho de comer, no que posso e nāo posso fazer. A expressāo "nāo deve" ouço-a sempre como "nāo pode". A ideia "há um risco mínimo de" ouço sempre como "o que tem de fazer para prevenir é". Tudo o que leio na dúvida considero que sim e nāo experimento o "depois logo se vê".
Pode parecer exagerado, pode ser tonto aos olhos de quem vê de fora. 
Pode ser muita coisa mas, meu amor, aquilo que quero que saibas é que tomamos conta de ti desde já. Se tenho de dormir para o lado esquerdo é para o lado esquerdo que durmo. Se nāo é cómodo para mim, paciência, fico dormente, paciência, se a respiraçāo se tornou mais difícil contigo a ocupar o espaço cá dentro, paciência, se me cansam as pernas muito facilmente, paciência. 

O que interessa é que tu, meu amor, tu... Estás aqui há 25 semanas. E esperamos por ti em Março. Em Março. 




sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Vem, Está Ali O Pai Natal...

Imagino-te pequenita, a andar pela māo e a dizer: 
- Māe... Māe... quero andar ali. Māe, māe... Anda... Anda... Pai, pai... Vamos depressa... Vem, está ali o Pai Natal. 
Espero que de todas essas vezes eu possa, com a mesma disponibilidade de hoje, ficar eu própria no encanto das diversões que andam à roda. Usufruindo de tudo isto que a idade nāo rouba, que nāo leva embora. Há quem encontre tranquilidade no silêncio. No sossego. Sim, também. Mas nestes casos encontro paz na confusāo das gargalhadas, na loucura dos risos, na euforia da felicidade desmedida das crianças. Posso ficar horas a ver as luzes a piscar, a roda gigante a rodar e o carrossel a andar à volta. 
E contigo. Contigo. Mais ainda.
Enviamos agora um beijo especial ao pai que nāo pôde estar na feira connosco por duas razões: primeiro porque estamos em Londres e depois porque hoje o pai teve de ir ver o doutor. 

Um beijinho grande, pai, voltamos já. Voltamos já.  







quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

O Carrinho Anita Mamā Existe

Hoje tropecei na primeira esquina com o tal... o tal carrinho... o tāo desejado carrinho... No entanto, descobri que a sensatez hoje em dia tomou conta de mim. Por mais bonito que seja este "baby stroller" Londrino, nāo é de modo algum uma escolha sensata. É mais do dobro do tamanho dos carrinhos ditos normais. Representa também mais do dobro dos problemas. E é também mais do dobro do preço... É tudo mais do dobro. Sim, na estética também. Mas mais de metade no que diz respeito ao conforto do bebé.
Ou seja, este nāo será o teu carrinho princesa. Mas acima de tudo porque nāo é o mais confortável, o mais seguro, o melhor para passeares. 
Isto nāo significa ainda que tenha desistido de um carrinho com influência dos tempos antigos. Nāo desisti. Ainda há esperança. Existem opções possíveis e reais, em Portugal. Compromissos entre a vida real e a terra dos sonhos... Será por aí. Prometo. No entanto fica o registo das linhas bem conseguidas e insubstituíveis de tempos de antigamente.



Quanto ao enxoval, vai crescendo. Hoje escolhi vestidos, casacos, cortinas, papel de parede... Só nāo comprei a John Lewis inteira porque nāo dava jeito, nāo cabia no aviāo. 
Faz falta uma John Lewis em Portugal. 





quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Montras de Natal

As montras de Natal em Londres, apesar da crise também se sentir aqui, continuam a encantar os mais novos e os mais velhos. Autênticos cenários cuidados e elaborados, onde a imaginaçāo voa e ganha forma a uma velocidade feroz. Crianças, adultos e graúdos, nāo há quem resista à tentaçāo de parar e sonhar. Sonhar contos de Natal, família e fantasia. A neve branca invade o espaço e o brilho ganha forma nos nossos olhos. Máquinas fotográficas, excursões, flashes do mundo levam para casa a memória daquele conto, ao qual todos acrescentamos mais um ponto. O nosso ponto.   







terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Popcorn, o coelho

A loja The White Company é sempre uma das que visito com regularidade em Londres. Como o nome indica apresenta sempre uma escolha muito clean e o bom gosto da simplicidade. Com linhas de quarto, banho e casa. Mas hoje reparei que também têm a secçāo The Little White Company dedicada aos mais pequeninos. Fiquei radiante.
Ficou assim marcado o dia em que eu comprei o teu primeiro babygrow e o teu primeiro peluche. Até hoje nāo te tinha comprado nada por diversas razões, desde superstições até ao facto de durante tanto tempo nāo saber que eras menina. Até entāo tinhas muitos presentes e muitas coisas mas nāo ainda comprados por mim. Abriu hoje para nós a nova época: o enxoval. O coelho cinza de nariz rosa na fotografia já tem nome. Uns amigos mal o viram lembraram-se de um filme de um deles sobre o coelho Popcorn. E assim ficou... Apresento-te o teu amigo Popcorn. 


Imagem de: The White Company

Imagem de: The White Company



segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Graduaçāo e Maternidade

Hoje na minha cerimónia de graduaçāo o ponto alto foi a subida ao palco de uma māe para receber o seu diploma. Grávidas fomos três e isso também provocou reacções engraçadas. Mas o ponto alto foi o momento em que uma jovem māe subiu ao palco com o seu bebé de colo enroscado nos seus braços. Aquela māe, mulher, menina podia ter deixado o bebé no colo de um dos muitos familiares que lá estavam enquanto ia ao placo mas optou, e muito bem, por subir assim. Foi um sucesso. Mensagem passada. Teve direito a uma ovaçāo sem igual. Mulher, māe, menina, completou o seu mestrado. E as faculdades aplaudiram. 
E nós também. Nāo foste ao meu colo mas foste dentro de mim. 
O momento ficou registado para o resto da vida. Uma enorme alegria, mais ainda contigo aqui. 





domingo, 1 de dezembro de 2013

Levo-te Comigo

Meu amor, vamos para longe. 
Foi a primeira vez que a mala grande, pesada e cor-de-rosa ficou de lado. Nāo a podemos carregar. Ficou. Também é a primeira vez que te levo a conhecer a segunda casa, o lugar onde vivi tanto tempo longe da nossa família. Mais um momento marcante e importante se aproxima. A novidade: desta vez nāo estou sozinha. Vivi coisas maravilhosas que perderam tanto o seu valor, sabes? Quando os nossos nāo estāo para partilhar aquilo que é fabuloso e importante, ainda que muito importante... perde. Perde muito. Passa a ter um valor diferente, menor. 
Desta vez é diferente. Partilho. Partilho contigo. 
Levo-te comigo. Vamos.